Adoração em um mundo de selfies

Uau! Deus realmente esteve conosco enquanto o adorávamos essa noite. O local estava tão cheio de sua presença. Um dos momentos de culto mais intenso que já tive.

Esta frase me veio recentemente através das notificações do Instagram.

Fiquei curioso para ver a foto tirada por este aluno para comemorar sua experiência. Nunca esperaria uma foto de um jovem de pé na frente de um espelho no banheiro com um sorriso desconcertado no rosto. No entanto, lá estava ele, um adolescente fazendo a duck-face olhando para o espelho do banheiro, o smartphone na mão.

O que isso tinha a ver com o quanto ele amava adorar a Jesus era um mistério para mim.

Este é o nosso mundo

Este é o mundo em que vivemos: o mundo da selfie. O mundo onde as pessoas tomam algo que não é sobre eles e tornam isso sobre eles através da lente de sua câmera.

Os homens crescidos posam com a sua melhor cara de galã enquanto apontam a deslumbrante Torre Eiffel de Paris do lado de suas cabeças como um chifre de aço pequeno e mal colocado.

Adolescentes tentam seu olhar mais fofo enquanto uma coluna de pedra singular do antigo e impressionante Coliseu de Roma é vista ao fundo.

Nós não estamos vendo o mundo através de seus olhos. Estamos vendo seus olhos bloqueando o mundo.

Talvez eu esteja sozinho aqui, mas eu prefiro ver uma foto das cachoeiras de Niagara do que um rosto obstruindo minha visão disso. As cachoeiras de Niagara não são sobre nós. São majestosas. É necessário o quadro completo para os espectadores sentirem ao menos um pequeno gosto do temor de algo tão grandioso.

Adoração à moda selfie

Isto é exatamente o que estamos fazendo quando tentamos angariar uma adoração coletiva em nosso favor. Nossos corações pecaminosos querem preencher o quadro da glória de Deus com nossos rostos. Nossa carne quer nos distrair do valor infinito do Deus santo que nos convidou para a sua presença para contemplá-lo e sermos feitos como ele.

Este tipo selfie de adoração tenta infiltrar-se em nossas igrejas, fazendo-nos valorizar o sentimento em detrimento da substância, o frisson emocional em detrimento da saúde emocional ou a preferência musical em detrimento de uma proclamação significativa.

Quando o conteúdo de nossas músicas e orações estão saturados de temas e pensamentos centrados em mim, estamos comprando a mentira de que a adoração é sobre nós.

Com certeza, nossos rostos estão no quadro, mas é um grão de areia na praia de um vasto oceano de beleza e santidade. Concentrar-se grão seria uma estupidez, se não uma loucura absoluta.

Adoração com foco em Deus

Quando nos reunimos para a adoração coletiva, atribuímos valor ao único digno, e o levamos ao lugar onde ele pertence: no trono de nossos corações.

Ao fazermos isso, ele participa conosco de uma maneira muito real. Esta realidade não é uma situação hipotética. Deus está conosco. Não há maior privilégio na Terra para a família de Deus redimida e adotada do que ficar de pé na presença de Deus e adorá-lo no Espírito e na verdade, através do seu Filho.

Ao fazê-lo, estamos construindo e encorajando uns aos outros, lembrando nossos próprios corações de quem é Deus e o que ele fez, e proclamando isso para um mundo que precisa desesperadamente vê-lo por quem ele é.

Isso não é feito quando cantamos sobre nós mesmos, nem quando nos obcecamos com o que preferimos sentir.

Ele deve aumentar

Se vamos aprender a adorar em um mundo de selfies, devemos olhar continuamente para além das preferências musicais, da nostalgia sentimental e do idealismo contextual, a fim de olhar com admiração e maravilhados pelo caráter e atos de nosso poderoso Rei e Salvador.

Devemos saturar nossos cultos e músicas com sua palavra, e nos admiramos em sua sabedoria, vontade, riqueza, obras e caminhos. Ele é o Deus que criou planetas e estrelas, e ele mantém todos em suas mãos. Ele criou elétrons e prótons, átomos e elementos, gravidade e inércia.

Tudo o que foi feito por ele e através dele, e antes que qualquer um de seus fundamentos fosse posto, ele escolheu redimir-nos e nos adotar em Cristo. Isso é muito grandioso para ser minimizado com o foco no eu.

Que todos nós resistamos à tentação de preencher o quadro com o nosso rosto, mas ao contrário preenchamos nossas mentes com sua glória eterna, e nunca paremos de repetir o refrão de João 3:30:

Ele deve aumentar. Devo diminuir.

Ele deve aumentar. Devo diminuir.

Ele deve aumentar. Devo diminuir.

Texto Original: Worship In a Selfie World

Tradutor: Moacir Campos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *